Busca por rinoplastia teve aumento de 4.800% nas últimas semanas

Especialista esclarece dúvidas sobre o procedimento queridinho das celebridades durante a quarentena

Durante a quarentena um grande número de celebridades passou pelo procedimento de rinoplastia para correções funcionais e estéticas do nariz devido à pausa nos shows e compromissos artísticos. Fazem parte desta vasta lista o cantor Kevinho, assim como o Pastor Márcio Poncio, que corrigiram o desvio do septo, Mc Rebecca que se submeteu a uma alectomia para diminuição das abas nasais, além da ex BBB20 Flayslane, que passou por uma reconstrução nasal completa.

A busca pelo termo rinoplastia e preço do procedimento teve aumento repentino nas plataformas de pesquisa do Google desde março e segue em ascensão alcançando um aumento de 4.800% nas últimas semanas. A possibilidade de atendimento à distância para uma primeira conversa, também tem sido grande facilitador para que pessoas interessadas possam conversar com seus especialistas.

Segundo o cirurgião plástico e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. Alan Landecker, o isolamento social é propício para se fazer rinoplastia, uma vez que proporciona um período de reclusão maior, possibilitando ao paciente aliar a cirurgia plástica ao repouso, que sempre é necessário após a cirurgia. O cirurgião apenas ressalta que as medidas de segurança devem ser redobradas “O hospital precisa ter rígidos protocolos contra a disseminação Covid-19 como fluxos exclusivos. A equipe médica e de enfermagem precisa ser testada semanalmente e paciente precisa ser monitorado também”, lista o médico.

Para quem quer fazer rinoplastia, o especialista responde três principais dúvidas sobre o procedimento:

Como é feita a rinoplastia?

A rinoplastia é feita em três etapas: tratamento do dorso (ossinho), da ponta e do septo e quando necessário são tratadas as asas nasais. Os critérios para indicação da rinoplastia são a proporção e a simetria facial, verificando medidas da face, sempre entendendo e respeitando o desejo do paciente. Como todo procedimento cirúrgico, a rinoplastia exige anestesia, que pode ser intravenosa ou anestesia geral. Existem duas técnicas para executar uma cirurgia de nariz: a fechada e a aberta. Enquanto na fechada a cirurgia é feita por dentro do nariz (sem incisões externas), na aberta o esqueleto ósseo e cartilaginoso é totalmente exposto com uma pequena incisão externa na columela (coluna da pele entre as narinas). É preciso uma avaliação médica para o desenvolvimento de um planejamento cirúrgico mais próximo do resultado que o paciente deseja.

Como é a recuperação da rinoplastia?

Depende de cada paciente.  Após a cirurgia é recomendado repouso absoluto por 5 a 7 dias, mantendo a cabeça sempre elevada. Estima-se que a cirurgia comece a cicatrizar por aproximadamente uma semana. No pós-operatório, utiliza-se um tampão (varia de médico para médico) por 48 horas e um gessinho no dorso para manter o osso que foi fraturado no local. Não costuma haver dor e o paciente precisa dormir com a cabeça elevada por 30 dias. Os pontos e gessinho são retirados com uma semana. Também é comum aparecer manchas roxas ao redor dos olhos nos primeiros 10 dias  e para isso é indicada a aplicação de compressas geladas e se possível, a realização de fisioterapia para acelerar a cicatrização dos tecidos. O inchaço, que pode aparecer e desaparecer e ser um pouco pior pela manhã, vai diminuindo aos poucos. Em 30 dias após a cirurgia, já é possível ver 95% do resultado final. Entre seis meses e um ano o resultado será completo.

 

Existe contraindicação para a realização da cirurgia?

Anemia, hipertensão descontrolada e qualquer outra condição que coloque a anestesia e a vida do paciente em risco. A rinoplastia também é contraindicada para pacientes com expectativas não realistas, ideais que fogem do padrão estético normal, diagnosticados com transtornos psicológicos, depressão, transtorno dismórfico corporal (TDC) moderado/grave. Além de pessoas que operaram o nariz várias vezes e que por isso, possuem alterações irreversíveis na qualidade da pele, fazendo com que eventuais reoperações sejam arriscadas tecnicamente.

Por fim, o especialista cita que uma rinoplastia bem realizada deve oferecer um rejuvenescimento natural, confortável e indetectável. E não um resultado artificial com desvios do padrão estético normal. “Na vida e na cirurgia plástica, menos é quase sempre mais”, conclui.

Dr. Alan Landecker, Cirurgião Plástico – Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e da (Sociedade Internacional de Rinoplastia) com cerca de 20 anos de experiência. É formado em medicina e cirurgia geral pela Universidade de São Paulo (FMUSP) CRM-SP 87043 e em Cirurgia Plástica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e Clínica Ivo Pintanguy. Especialista em rinoplastia estruturada primária e secundária (Rhinoplasty Fellow) pela University of Texas Southwestern em Dallas, Texas, EUA, sob o Dr. Jack P. Gunter. É precursor da Rinoplastia Balanceada que tem por base utilizar a técnica inovadora de piezoelétrica (ultrasônica) aliada às técnicas cirúrgicas de rinoplastia estruturada e preservadora com o objetivo de realizar uma cirurgia capaz de oferecer o máximo de previsibilidade, com o menor trauma cirúrgico possível e minimizar as chances de complicações, além de facilitar eventuais reoperações. www.landecker.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*