Milícia toma conta de 88 áreas na Zona Norte e região de Jacarepaguá

Ministério Público Estadual divulgou parte de um mapeamento feito sobre a atuação das milícias na cidade. Foto: Reprodução

Ministério Público Estadual divulgou parte de um mapeamento feito sobre a atuação das milícias na cidade baseado em denúncia contra 21 acusados de pertencer a grupos paramilitares que agem na Praça Seca e em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio.

A parte do estudo que foi divulgada na denúncia não inclui bairros de forte influência dos milicianos como Campo Grande e Santa Cruz, na Zona Oeste, mas dá uma ideia do tamanho da atuação dos paramilitares na capital.

Só na Zona Norte, na região de Jacarepaguá e Praça Seca, a milícia toma conta de pelo menos 88 áreas.

Na Zona Norte, há a presença de paramilitares apontadas no mapa em Brás de Pina, Ramos, Bonsucesso, Inhaúma, Engenho de Dentro, Cascadura, Quintino Bocaiúva, Campinho e Oswaldo Cruz.

Na região de Jacarepaguá, os milicianos estariam presentes nos seguintes sub-bairros: Tanque, Taquara, Freguesia, Curicica, Vargem Grande, Vargem Pequena e Gardênia Azul.

Há também grupos no Itanhangá e no Recreio dos Bandeirantes.

O MP argumentou que, como o documento foi preparado pelo setor de Inteligência, não poderia divulgar seu conteúdo completo.

Dos 21 milicianos denunciados na semana passada, apenas seis estão presos. As quadrilhas que atuam na Covanca e na Chacrinha são base da denúncia.

Os grupos praticam os delitos de extorsão a moradores, comerciantes e prestadores de serviço a pretexto de oferecer serviços de segurança contra roubos, invasões a domicílio, além de exploração e comercialização de sinais clandestinos de internet, televisão a cabo e do comércio de gás e água, e porte de armas de fogo.

O bando que domina maior parte das comunidades da Praça Seca – entre elas, a Chacrinha e a Covanca – estava se utilizando de uma espécie de “boleto” para suas extorsões.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*